terça-feira, dezembro 29, 2009

2009 começava assim

para 2009

espero conseguir algumas resoluções, encontrar estabilidade e construir um trampolim para novos desafios.

Tudo o que está nestas entrelinhas foi conseguido. Não sem umas dorzitas de crescimento, mas conseguido. Considero o ano que passou como o mais introspectivo. Olhei muito para dentro, aprendi tanto e continua a saber que tenho ainda mais para aprender. Recolhi-me e colhi os frutos. Ultrapassei uma barreira muito grande, e a sensação do outro lado é óptima. Senti-me plena, talvez o tal efeito da chegada dos trintas. Foi um ano muito meu, muito eu. E nesse meu egoísmo, muito bom. Isto também para dizer que tudo o resto à volta foi um bocado paisagem, felizmente não houve grandes problemas como também não houve grandes vitórias profissionais, foi um ano pouco produtivo nesse aspecto. Mesmo com crises de saúde (minhas e outras) e outras crises graves, considero o ano positivo. E agora, venham de lá, de 2010, os tais desafios. mal posso esperar.

segunda-feira, dezembro 28, 2009

do Natal

Cada vez gosto menos do Natal. um bocadinho menos a cada ano que passa. A expectativa em volta dos presentes é substituída pela expectativa do que poderá correr mal. Fico uma pilha de nervos por dentro a tentar que tudo corra bem. O meu amor diz-me não podes ser responsável pela felicidade de toda a gente e eu quase que concordo. O quase não me deixa sossegar.
Contrariamente às expectativas, não correu mal. Não deixei de deitar a minha lágrima, mas pelo menos foi esclarecedor. e o meu amor foi o meu herói...

ps- para o ano põe uma fitinha e oferece-te, acho que não preciso de mais nada ;)

oops!

Parece que não deixei aqui um Feliz Natal para quem cá viesse espreitar, sou uma desnaturada. Mas o que conta são as intenções e o Natal é quando a mulher (esta que vos escreve) quiser, por isso Feliz Natal!

estou redimida?

;)

sexta-feira, dezembro 18, 2009

preso pelo estômago

meu amor- o que é o jantar?
eu - lasanha
meu amor- da tua boa ou das outras?

;9

pedras no coração

Para viver melhor comigo e com os outros, eu tive de aprender a esquecer muitas coisas que foram acontecendo na minha vida. Umas apaguei, outras embrulhei muito bem e coloquei atrás do coração para a razão não ver. Elas estão lá, eu sei... mas eu escolho não as abrir, qual caixa de pandora, para não alastrar o mal pelo meu coração todo. E vou vivendo assim, carregando pedras atrás do coração e fingindo-me de amnésica (talvez o meu esquecimento permanente seja também já um mecanismo de adaptação). No Natal estas pedras pesam mais. No Natal há quem consiga fazer-me reviver todo o peso das pedras, mesmo depois de todo o esforço que faço para esquecer. Fico verdadeiramente abismada como consegue(s)m fazê-lo, todos os anos, de maneira diferente. A sério, eu não tinha imaginação para tanto. E doi, muito. E eu estou farta e cansada. Já não tenho 15 anos, sei bem o que quero para mim. E não vou continuar a acumular pedras no coração. Sim, isto é um aviso.

quinta-feira, dezembro 17, 2009

criando tradições

De agora em diante o Natal, cá em casa, chega a dia 1 de Dezembro. Este foi o dia em que o gato catita chegou e, sem darmos por isso, deu inicio a esta família. Acho que não há melhor metáfora, ele trouxe também o Natal (e o Carnaval também), no sentido em que trouxe (ainda) mais alegria. Dia 1 de Dezembro passa a ser dia de festa e a nossa prenda é decorar a árvore de Natal a três (por enquanto), cheia de bolinhas vermelhas e douradas, que o gato derruba e espalha pela casa com grande alvoroço. Esta é a tradição de Natal da nossa família, a primeira.

Ps- este ano, por engano, foi a 8 de Dezembro.

quarta-feira, dezembro 02, 2009

eu sou um peixe!

Sou um peixe porque tenho memória de peixe, igualinha à Dori. E isto começa a assustar-em, começo a ficar até um pouco hipocondríaca. Eu já era esquecida, mas desde que levei uma anestesia geral, acho que a coisa piorou, muito. Eu costumava brincar "ah, sabes... isto depois da operação..." mas agora, já não acho piada nenhuma. Efectivamente as minhas memórias varrem-se da minha cabeça e se antes alguém indicasse um pormenor a memória voltava, mas... agora há coisas que eu não me lembro nem que me contem quase o episódio todo.

Esta semana já perdi um boné, um anel e a matéria do exame... foi um ar que se lhe deu!

talvez devesse ir ao médico... mas, digo o quê? estou esquecida, mas não tenho termo de comparação para saber o quanto, será normal? alguém por aí sofre do mesmo?

quinta-feira, novembro 26, 2009

(ah, e pelas viagens também )

Estou a meter a mão a 4 projectos (1 meu, 1 por convite, 1 por conhecimentos, 1 metade meu) e espero mesmo que nenhum fique pelo caminho. No meio de muitos artigos pesquisados, states of the art, objectivos, metodologias, orçamentos e millestones (que mais irão inventar para o ano?), levanto a cabeça por segundos e questiono... porque o faço? Nada disto é para mim enquanto não tiver um emprego. Se algum destes projectos tiver a sorte (grande, o euromilhões e o joker também) de ser aprovado vem algum orçamento para o laboratório para que se continue a fazer investigação. Se não vier orçamento, lá terá de se fazer o milagre da multiplicação e com uns pozinhos aqui e ali, continuar a fazer a investigação. Mas emprego... esse não há. E se não houver, não há pozinhos que cheguem.

Verdade que a área da ciência se desenvolveu muito nos últimos anos, mas quem efectivamente a faz continua na mesma cepa torta de há 10 anos. E não estou a ser exagerada... quem faz investigação em portugal são bolseiros (só o nome diz tudo... não somos cientistas, somos bolseiros) e as bolsas não são actualizadas desde essa altura. Aliado a este desvalorizar do poder de compra (ou de sobrevivência, chamem-lhe como quiserem) não existem subsídios de férias, nem de Natal (que tanto jeito dava), segurança social só sobre o salário mínimo e segurança, estabilidade ou prespectivas de futuro... bom, se até aqui não era uma anedota, chegados aqui isto é um show de stand up comedy.

O mercado de trabalho dos cientístas em portugal é a profissão de professor e até conseguir isso (estão a ver as probabilidades?) a solução é continuar de bolsa em bolsa ad eternum. Estou, ainda nem, a meio da minha bolsa de doutoramento e já estou a pensar no projecto que poderei apresentar para pós doutoramento (rídiculo, ou não) e nos entretanto vou pensando em projectos, para continuar a haver material de estudo, conhecimentos, know how, parcerias, equipamento... esperança.

Tirando de fora da equação o facto de ser aquilo que me realiza (na maior pate dos dias), é por isto que o faço!

terça-feira, novembro 24, 2009

mas atenção, estou focada no meu trabalho!

Ontem enquanto via televisão, ao mesmo tempo que mandava um mail, passava a publicidade dos MEOs a esmiuçar o pinheiro de Natal. E perguntava o MEO o que é que o pinheiro manso de Natal tem a ver com a promoção do MEO. A minha resposta pronta:

- nada! porque o pinheiro de Natal não é um pinheiro manso!

ps- I rest my case!

quando a vontade é pouca

e tenho montes de coisas para fazer eu pareço uma montanha russa... sendo que o topo significa efectivamente começar a fazer as coisas. Verdade que depois sou rápida e eficaz a realizar as tarefas, mas primeiro que comece. Tudo é desculpa para atrasar o começo, até escrever no blog sobre isso!

ps- isto é só uma forma de exorcizar

terça-feira, novembro 17, 2009

thinker vs screener

porque é que quando, finalmente, sou confrontada com uma realidade que já conheço fico tão desapontada?

ainda só é terça feira

e eu já estou derreada. pudera, a esta hora ainda estou na faculdade, as insónias têm atacado e tenho projectos a acumular em cima da mesa que exigem tempo que eu não tenho para dar. a concentração é pouca o que atrasa ainda mais todo o processo. a pergunta que se coloca é " para que é que eu me meti nisto?"

inspira. expira. inspira. expira

sexta-feira, novembro 13, 2009

ainda bem que é sexta

Estou aqui a tentar perceber se esta leve sensação febril, dor de cabeça, pouca capacidade de concentração é porque estou a ficar doente ou se é tudo cansaço (que bela semana). por via das dúvidas já bebi um chá e já me muni de manta aconchegante, no melhor spot do sofá com gato a acompanhar. toda a gente sabe que um gato é remédio santo!

segunda-feira, novembro 09, 2009

preparar as férias já é metade da viagem #2

parece que o meu orientador sempre me pode receber a partir de Março, no Brasil.

parece que não me enganei

Depois de ver o teste das vocações aqui, decidi fazer também. Para que naqueles momentos de dúvida, que acredito todos os cientistas têm, me lembrar que é intrínseco.


Maior pontuação em D
São intuitivos como os C, mas, em vez de se preocupar com pessoas, costumam focar seus interesses em grandes áreas do conhecimento, como ciência e tecnologia. Apresentam notável capacidade para identificar problemas concretos e resolvê-los, bem como para o raciocínio abstrato.



Carreiras mais apropriadas
• Analista de sistemas
• Antropólogo
• Arquiteto
• Astrônomo
• Criador de software
• Designer industrial
• Economista
• Engenheiro
• Físico
• Líder de uma corporação (CEO)
• Matemático
• Militar
• Oceanógrafo
• Pesquisador
• Químico
• Músico (regente de orquestra)
• Urbanista
• Zoólogo

quinta-feira, novembro 05, 2009

acho que é exigência

Eu gosto mesmo de aprender. As minhas colegas perguntam-me muitas vezes (ou perguntavam) para que é que eu queria saber isto ou aquilo. Um dos professores já me respondeu... mas eu não quero que tu saibas isso, ainda. O que me deixou um bocado irritada.
Eu não faço as coisas por empinanço, nem para passar na disciplina só para ter o nome da disciplina no currículo e até posso passar com notas baixas (o que não é costume) porque o que me interessa é que tenha aprendido e normalmente não considero a nota do exame como o meu grau de conhecimento. Mas ontem o tiro saiu-me pela culatra. Eu sabia a matéria teórica (quase) toda, e sentia-me bem preparada para mexer com os 500 programas estatístcos. Mas os dados deram-me a volta... aconteceram umas 3 ou 4 coisas que ainda não tinham acontecido e que me obrigaram a colocar o que sabia em causa. Resultado, saí de lá com mais dúvidas do que certezas e extremamente irritada. Escusado será dizer que, tal como nos velhos tempos, passei o meu sono a fazer árvores filogenéticas e acordei super cansada. No meio disto tudo fico ainda sem perceber se me tornei mais exigente ou se já perdi a estaleca para os estudos.

segunda-feira, novembro 02, 2009

sexta-feira, outubro 30, 2009

and again

O meu amor ficou doentinho. Dores de garganta, tosse e depois febre... alta. No hospital dizem que não é gripe A. Eu desconfiei, até porque os colegas dele começaram a ir ao hospital uns atrás dos outros, mas eu cá estou... tive um início de sintomas, mas depois passou. Das duas uma, ou não é gripe A ou eu sou muito resistente. Resultado, desde quarta que estou em casa a tentar (muito) trabalhar e a cuidar (muito) do meu catita. Canjinha, scones, torradinhas, chocolatinhos e o Caim de oferta. Há gente com sorte!

ps- e agora mesmo, pede-me sushi... está curado!

terça-feira, outubro 27, 2009

afinal está vivo!

há meses que não me responde aos mails, mas hoje convida-me para o seu hi-5.

segunda-feira, outubro 26, 2009

Por mim, atrasavam-se 2 horas

Sou matutina, mas sempre tive muitos problemas para me conseguir levantar de manhã. Só há pouco tempo consegui perceber como funciona o meu ritmo circadiano. Quando estive no Brasil, com um atraso de 3 horas (agora de Inverno), é que notei particularmente a minha necessidade de luz para acordar. Lá está, sou como as plantinhas, preciso de luz para me energizar! Lá, às 5h começava a amanhecer, às 6h eu já estava farta de fazer tempo na cama para me levantar e por volta das 7h30 já estava no lab a trabalhar. Em Portugal, na melhor das hipóteses, a minha hora de acordar é às 7h30. Claro que às 17 horas começava a escurecer (o que por cá também se verifica) mas, como já tenho o meu trabalho feito, é só voltar para casa e começar a relaxar e para isso o escurinho até sabe melhor. Aliás para mim das 17h às 20h são horas mortas, compassos de espera entre sair do trabalho, ir ao gym, fazer o jantar... pouco me importa que seja de noite. Ou seja, por mim horário de Inverno está perfeito. E o horário de Inverno no Brasil ainda mais perfeito!

ps- 3 semanas sem escrever e estava difícil recomeçar, ganhei uma hora e consegui voltar. alívio

quarta-feira, outubro 07, 2009

ui!

Tanta coisa para contar, tanta foto linda para postar, e a única coisa que me entra pela cabeça é uma voz monocódica que me fala de produto da soma dos quadrados, de intervalos de confiança e transformações logaritmicas de variáveis para liniarizar relações e que me obriga a entrar no R e programar as estatísticas que dificilmente compreendo.
Todos compreenderam qual o grau de inspiração para escrever as coisas maravilhosas por que tenho passado, acho que elas não merecem...

quinta-feira, setembro 24, 2009

eu não conseguiria dizer melhor

"Um dos maiores erros que se fazem é pensar que estudar serve primeiramente para aprendermos uma profissão e que um curso universitário só tem utilidade se vier a ser aplicado ao entrar no mercado de trabalho. Que grande equívoco. O estudo, um curso, servem também para isso, mas não só, servem principalmente para nos ensinar a pensar melhor, a aprender melhor, a desenvolver as nossas capacidades e raciocínio, a tornarmo-nos pessoas mais independentes e capazes de pensar pela nossa própria cabeça, dando-nos ferramentas para ultrapassar obstáculos e dificuldades, e para, principalmente, nos alargarem horizontes e expandirem limites. Não tivesse eu estudado os anos que estudei, e dificilmente teria capacidade de começar um doutoramento numa área da qual sabia aproximadamente zero. Mas isso não foi uma barreira, porque esses anos, mais do que disciplinas fundamentais, das quais não desmereço a importância, me ensinaram a não ver o desconhecido como impedimento e confiar na minha capacidade de aprender, e de saber como o fazer. Da mesma forma que o Erasmus não serve para ir fazer cadeiras, mas para crescermos enquanto pessoas num mundo que não se limita ao nosso bairro. Claro que só se pode saber isto com alguma distância, e tendo passado pela experiência, sendo absolutamente impossível explicá-lo a quem não o viveu, e que por isso nunca perceberá a dimensão da sua importância, desvalorizando-a com despeito. Se sou melhor que os meus pares por isso? Nunca foi o que esteve em causa. Se sou muito melhor do que seria sem essas experiências e se me fizeram crescer como pessoa? Sem dúvida. Porque saber mais é sempre melhor do que saber menos, com ou sem ofensa."

ps- para a semana começam as aulas.

ps para a Luna - ontem estive na manifestação de bolseiros e tu estavas comigo ;)!

quarta-feira, setembro 23, 2009

"my sister's keeper"

Aquilo que deviam mas não dizem em nenhuma das promoções a este filme ou quando nos vendem o bilhete é "lenços de papel são absolutamente necessários". Podes tentar, podes suster durante algum tempo a lágrima, mas não vais deixar de chorar neste filme. Eu, que agora virei uma lamechas e choro por tudo e por nada (e não, não estou grávida), aguentei uns 5 minutos. No fim, era ver toda a gente de lencinho na mão. O filme é muito bonito e bem filmado, mas não aconselho a quem vive de perto uma história semelhante... é bem capaz de sair a soluçar do cinema.

sexta-feira, setembro 18, 2009

a p#%@ da idade

Já não se me depara quando olho para os rebentos das minhas amigas e eles já falam e têm dentes e oops já estão a entrar para a faculdade. Mas sim na primeira aula teórica de estatística e delineamento experimental (que considero de revisão), quando começo a apanhar papéis ao quarto de hora do fim. Aqui devo confessar que até nem foi mau olhando para o ar de espanto do resto da plateia. Mas é também neste preciso momento que começo a fazer contas ao tempo e vejo que a última vez que toquei em estatística foi para aí há uns... 10 anos atrás, mais coisa menos coisa, o que feitas as contas (que ainda sei de matemática) bate no século passado!
Bateu-me a crise da mini-nano-micro-idade.

quinta-feira, setembro 17, 2009

sou só eu??

Será que sou só eu que achei uma parvoíce pegada a história do "Cem anos de solidão"?

só eu

que não tendo mais nada que fazer ou com que ocupar o meu tempo (sic) decido, por auto recriação e de livre e espontânea vontade, inscrever-me em 4 disciplinas de mestrado de outra faculdade que não a minha. E ainda pagar por isso.
Força, podem-me chamar doida. Eu compreendo-vos perfeitamente.

quarta-feira, setembro 09, 2009

e o que é que o querido responde?

-querida, queimei a sopa!

Como se fosse possível queimar sopa, dirão vocês todas... mas às mãos de um homem tudo é possível, até queimar sopa. Reduzida quase a papel e com um cheiro que ao entrar no prédio pensei... alguém deixou queimar torradas. e há medida que subia no elevador corrigi... alguém deixou queimar MUITAS torradas.

sexta-feira, setembro 04, 2009

Leituras

Ando zangada com os livros, já não sinto o prazer que sentia antes. As histórias não me movem, agora é mais a escrita que me prende ao livro. E o sentido de obrigação, como se tivesse desapreendido a leitura e agora só a repetição me fizesse apreciar. Fui a treinos com o "Cem anos de solidão", tal como previa gosto da escrita... mas a história teima em não me agarrar. Estou a meio do livro e ainda não percebi a razão do título. Estou curiosa, expectante... e um nadinha desiludida. Será que perdi mesmo o gosto aos livros?

terça-feira, setembro 01, 2009

Pronto! voltei!

Já tinha voltado há algum tempo, mas só agora me apeteceu dar um ar da minha graça. Apeteceu-me deixar o blog de férias, sem ter de pensar em traduzir a vida para caracteres durante um tempo. soube-me bem. tal como me sabe agora voltar com os caracteres, mais ou menos, disparatados.

As férias tiveram um gosto muito especial, foram cheias. Deu para muitas praias, capri-sonne, mariscadas e tabuleiros de cascas, bronze, fotografias ao fim da tarde, sardinhada e mergulhar no mar com os amigos. Deu para pintar paredes e móveis, decorar e apreciar mais a casa. Deu para muito carinho do meu mushroom à tia, cerelac e amor. Deu para visitar barcelona, calcorreá-la de fio a pavio, ver arte, música, pintura, sentir a cidade, tapas, paelha, sol e calor ao fim do dia. Deu para médicos e veterinários. Deu para almoços de amigas e muitas (e boas) compras em saldos. Deu para muito amor, jantares, almoços e cinema a dois. Deu para trabalhar uma semana pelo meio. Deu para fazer muita coisa que estava adiada há algum tempo e para começar Setembro tranquila e cheia de energia.

sexta-feira, julho 31, 2009

pronto!

O laboratório está limpo e arrumado, as plantas foram todas acondicionadas nos devidos lugares, o gabinete está limpo e os backups foram feitos, ficaram 2 assuntos meio pendurados... mas o meu cérebro decidiu fazer uma auto-lobotomia, pelo que eu não sei de nada... esqueci. desço os estores e fecho a porta, quando voltar logo faço um re-start.

boas férias para todos... encontramo-nos por aí ;)

terça-feira, julho 28, 2009

sexta-feira, julho 24, 2009

contado... não sei se acreditam!


Cheguei a um ponto que deixei de contar km, meti o melhor sorriso e seja a chegada quando Deus quiser, tiver tempo e nos deixe uma bomba de gasolina aberta.
Day one, viagem para Vila Real, com saída de Lisboa às 18h, paragem em Viseu para jantar com a minha querida L. (é sempre um prazer), chegada à 1h a Vila Real. Segundo dia, ainda não são 8h e já estamos a sair para Peso da Régua, Viseu e almoço em Vilar Formoso... até aqui já tinhamos apanhado algumas plantas, algumas à chuva, outras com os pezinhos dentro do Rio! (ainda a aventura mal começou!). Subida até Miranda do Douro (não sei se estão a ver? a pontinha de Portugal onde entra o Rio Douro.) e mais plantinhas. São 7h da tarde e iniciamos a descida, pelo lado espanhol, até Elvas. Pelo caminho, comprar uma lanterna e nova paragem para apanhar mais umas plantinhas algures na fronteira com a região de Castelo Branco... era meia noite (daí a necessidade de uma lanterna). As vacas que a essa hora pastavam por ali devem ter achado um bocado estranho... bom, nós também achámos um bocado estranho, mas a verdade é que fechámos o ciclo de colheitas (pelo menos enquanto não tivermos mais ideias). Eram 2h da manhã quando chegámos a Elvas com o combustível contado. Hoje, viagem Elvas-Lisboa.

quarta-feira, julho 22, 2009

eu gostava

de estar contente por ir para Vila Real hoje para amanhã fazer o caminho inverso para Elvas e depois para Lisboa(com sorte), de sentir mais energia e não ficar embasbacada a olhar para o pc à espera que o motor (leia-se cérebro) arranque, de fazer contas até à férias e não achar que ainda falta uma eternidade (1 semana e meia?!), de mentir e dizer que estou cansada porque na realidade eu estou mesmo é estoirada.

desculpem lá, mas o cansaço é tanto que não há espaço para mais nada...

terça-feira, julho 14, 2009

não liguem

que isto é o cansaço a falar.
Há 3 fins de semana que o conta kilometros não pára. 2 casamentos, um deles em Vilar formoso (800km), 2 aniversários, um deles em Viseu (600km) e agora o expoente máximo de saídas de campo, 2 dias (talvez 1000km para cada um). sabendo que para a semana há mais.
já se vê que isto anima qualquer um.

Constatação do dia

que embirração, tudo me irrita. Perdi a paciência para as pessoas, para os blogs, para as conversas, para as ideias, para tudo. Este é o meu limite, preciso de férias. é que já nem eu me aturo.

sexta-feira, julho 10, 2009

espero nunca perder essa capacidade de sonhar

Sou uma palerma que vive no mundo dos sonhos, que gosta de construir castelos (literalmente) nas núvens completamente consciente que tudo se vai escaqueirar de encontro ao chão duro, mais tarde ou bem cedo... quase sempre cedo. Depois, sei que me vou levantar, sacudir o pó, esquecer estas más memórias com amnésia selectiva e seguir caminho, durante mais um tempo, o tempo que for preciso e com o qual me posso entreter a sonhar e a construir castelos (literalmente) nas núvens. Sou palerma porque, ingenuamente, espero nunca perder essa capacidade de sonhar.

quarta-feira, julho 08, 2009

pequeno desabafo

Custa-me admitir que, apesar de escolhas minhas, os compassos de espera são dos piores sítios onde estar.

sexta-feira, julho 03, 2009

Cenas de um casamento #4

"O amor, tão difícil de definir, já não é nem um sentimento, mas sim um conjunto de outras coisas, respeito, amizade (...) tudo o resto é Hollywood e chama-se Paixão!"

homilia do Padre Nuno
27/06/09

terça-feira, junho 23, 2009

confesso... tenho ciúmes do gato

ou isso ou o gato é um grande gayzola!!

Então eu dou-lhe as papinhas, troco a águinha, limpo os cócós e os vomitados, escovo o pêlo, dou mimos e o gaijo derrete-se é com o dono-que-não-quer-ser-dono??!! descaradamente!!! o dono-que-não-quer-ser-dono só precisa de se sentar ou deitar, que lá vai o gato enrroscar-se nele a ronronar e a esticar as patinhas, com um ar completamente ganzado. Eu sei que é das feromonas, mas... há limites. No outro dia fez tal espectáculo, parecia que estava bêbado, que estivémos quase a caminho do veterinário!

sim, tenho ciúmes e não acho normal!!

segunda-feira, junho 22, 2009

a pensar para os meus botões...

se calhar era boa ideia ir novamente passar o Inverno ao Brasil.

estou a escrever só para ver se a ideia se entranha.

está tudo óptimo!

Não fui de férias, apenas muito trabalho durante os dias úteis e uma rede (que trouxe do brasil) na varanda aos fins de semana. O tempo, entre ambos, escasseia.

segunda-feira, junho 08, 2009

deve ser moda

Agora toda a gente quer estudar as minhas plantas... desculpem lá, mas ide pregar para outro quintal!

das eleições III

já deu para perceber porque, em tantos anos de blog, nunca falei de política.

das eleições II

Não me venham com tretas, porque não existe desculpa para não ir votar*. Porque eu também posso dizer que não me senti minimamente informada sobre o que cada partido pretendia defender na europa. Gastam milhares de euros em ENORMES cartazes e depois as ideias são tão pequenas (pequeninas) que ocupam os cartazes com as suas caras em formato XL... o povo é tão burro que vai escolher deputados em função da beleza da fotografia, ou melhor do candidato (sic). Escrever 4 ou 5 linhas (e mesmo isto é muito pouco para pedir) de propostas, ideias ou o que quer seja que se pudesse ler... zero! São muito fraquinhos da cabeça é o que consigo concluir. Lemas como "vamos mudar", "está na hora", "tudo por Portugal"... dizem tudo e não dizem nada, valem zero. Melhor ainda, gastar dinheiro dos contribuintes em cartazes a dizer "somos uns coitadinhos, todos nos atacam" é uma VERGONHA! Mas consigo compreender... mesmo que escrevessem, ninguém ia acreditar e depois se não fizessem eram uns incapazes... o melhor mesmo é baixar a fasquia, deixar que sejam os militantes (com o tacho no horizonte) a votar... o (resto do) povo que se lixe... esse nem costuma votar (sic).
Sim, posso dizer que não me senti minimamente informada, que acho uma vergonha as campanhas eleitorais, acho profundamente vergonhoso usarem o dinheiro dos contribuintes para não informarem de nada e que me sinto verdadeiramente enganada e gozada como cidadã com aquilo a que chamam campanha eleitoral.
Sim, posso dizer isto tudo, indo votar em BRANCO**.

*claro que consigo perceber que existem situações em que a pessoa não podem ir votar. Está de férias, foi a um casamento, está doente (embora nenhuma delas seja impeditiva)... mas 60% da população estava nestas situações?
** Votar em branco, é mesmo em BRANCO, não é rasurar, nem escrever nos boletins, ou assinalar mais do que um partido... esses votos não contam para nada... nem sequer entram nas contagens. perder tempo para fazer isso, é o mesmo que nem lá por os pés.

das eleições I

este país está condenado! Arrisco a dizer que estamos fadados para isto... sermos vitímas da nossa apatia e tristeza, a sério, parece que nos corre nas veias... devia ser instaurado como uma tradição portuguesa. Passar a vida a fazer queixas e quando chega a hora de fazer alguma coisa em relação a isso mais de metade da população só consegue vislumbrar 2 hipóteses... a) está a chover, vamos mas é alapar o rabo no sofá ou b) está sol e eu vou para a praia. É triste.
Ainda mais triste quando a abstenção parte, principalmente, da camada mais jovem da população. Aquela que tem energia para tudo e mais alguma coisa, mas não para "perder" 20 minutos num dever que é também um direito.
O meu avô, que mal se aguenta nas pernas, quase não sai de casa... não pediu ajuda a ninguém, pegou na bengala e foi votar... o meu avô que reconhece que já nada disto é para ele, porque a reforma que tem chega-lhe e nenhuma decisão que dali venha vai ter impacto na sua vida, foi a pé (com pouca força nas pernas, arriscando-se a cair) até às mesas de voto porque há muito desemprego e muita injustiça. E eu, que estava nas mesas de voto, consegui reconhecer a sua voz nos corredores, fui ter com ele e ralhei-lhe por ali estar a colocar a saúde em risco (principalmente porque não nos avisou)... mas no fundo, estava a fazer uma birra de neta por estar cheia de orgulho nele.

segunda-feira, junho 01, 2009

to do list until end june

@ home

  • fazer um dia de experiências fotográficas (bora lá sof?)
  • acabar de ler o manual grande da máquina fotográfica
  • selecionar as fotos de 2008 para imprimir
  • marcar hotel em BCN [done]

@ work/ doutoramento

  • entregar abstarct para o congresso
  • inscrição no congresso [done]
  • Fazer estudo químico (destilações1ª fase)
  • Começar estudo anti-oxi
  • Acabar ensaio de bioactividade (1ª fase) [done]
  • Fazer extracções DNA
  • Preparar artigo
  • fazer a análise estatística (com pelo menos 3 softwares)
  • saída de campo [done]

@me

  • perder 1Kg
  • consulta de revisão da operação
  • acabar tratamento derma
  • marcar dentista
  • voltar ao gym

sexta-feira, maio 29, 2009

perdidos por 100, perdidos por 1000

e assim, no espaço de um dia, vimos todas as nossas reclamações saírem goradas. feitas as contas à vida... são menos umas férias de 2 semanas em bali, em 5 estrelas tudo incluído (coisa pouca, portantoS). Mas, como se isso não bastasse, chegamos a casa e temos a luz cortada sem qualquer factura ou aviso de eventual interrupção de fornecimento... olha que bom, já temos mais umas reclamações para fazer, é preciso é não parar para não perder a prática. Convencidos, mas não vencidos... enterrámos o dia numa esplanada junto ao mar.

quarta-feira, maio 27, 2009

o amor tudo pode...

O amor é triste, é uma luta, uma selva e quem disser o contrário mente! e mente com todos os dentinhos que já teve. Porque eu sei, porque eu vi e vejo todos os dias as marcas que o amor pode deixar. O amor é tudo e no entanto deixa-nos, tantas e quase nunca uma só vez na vida, nada. De mãos vazias, olhos vazios, alma vazia, o peito um buraco. Não só tira o que deu, como leva mais um bocado de nós agarrado. "O amor tudo pode...", pois pode! e tudo é tudo... bom e mau. E ninguém está preparado para que de algo bom, surja algo mau (e vice-versa), simplesmente não tem lógica. Mas o amor tudo pode e lógica é coisa que ele desconhece. Milhares de anos e ainda não afinámos a arte do amor, continuamos a cometer os mesmos erros que os homens das cavernas, que gregos e troianos, que Napoleão, que os nossos vizinhos, que os nossos pais. Milhares de anos e nem um manual (pequenino, pequenino que fosse) de instruções para a vida e o amor. Porque o amor tudo pode e nem todos os livros do mundo junto o conseguem explicar (por isso ainda há tantos por escrever). E no fim... voltamos ao princípio, não sabemos nada de amor a não ser que o amor tudo pode e que talvez seja mesmo como miguel esteves cardoso disse.

segunda-feira, maio 25, 2009

por estes dias são só reclamações

A paciência implodiu juntamente com o início de incêndio no lab, quando manuseávamos produtos altamente inflamáveis e depois foi esparramar-se em dias de campo por esse alentejo carracento (sim carraças às dezenas, elas gostam de mim). Quando voltei, um mail dizia que estava tudo normal, que tinha de pagar porque sim. Eu acho que não, porque não! Paciência atinge o nível zero... por isso depois de um fim de semana revigorante voltamos à carga. Meia já se foi com um atendimento a clientes que só sabe dizer que não sabe.
Agora vamos gastar o outro meio na outra "casa" que me engole o dinheiro como se fosse seu. E Já nem falo do estado em que o estado nos deixa, que essa reclamação deixei para a cara metade.
Mais alguém quer testar limites?

...

deus não me deu paciência... e agora vai ter de ser à bruta!
vamos lá ganhar uma úlcera.

segunda-feira, maio 18, 2009

daí-me paciência

Desde a semana passada que tenho um telefonema para fazer lá para o "hotel", para me explicarem porque a minha conta da "estadia" aumentou para mais do dobro 2 semanas depois de lá ter pernoitado. E ando a adiar porque já sei que me vou chatear e não me apetece ficar chateada, há coisas tão mais fixes para se ficar. E eu sou péssima quando me chateio, porque depois de me chatear ainda tenho de remoer aquilo tudo tipo máquinas de triturar papel nos escritórios e só depois do papel estar à venda como reciclável é que a coisa melhora. Portanto, é isto, "Deus, daí-me paciência para o telefonema que vou fazer a seguir e já agora para o resto da semana".

quarta-feira, maio 13, 2009

top 15+

Desafiada pela sofi@ aqui fica o meu top 15+ de séries da TV, entre portuguesas e estrangeiras, de agora e de outros tempos:

Duarte e companhia
Twin peaks
Allias
Brothers and sisters
Sex and the city
Simpsons
Modelo e Detective
MacGyver
Kit
Lipstick Jungle
Ficheiros secretos
Friends
Adultos à força
Beverly Hills 90210
Prison Break

Sintam-se desafiados a fazer o mesmo.

Depois, só depois

Toma-se um banho refirmante, coloca-se uma máscara no cabelo enquanto se trata da depilação, exfolia-se a pele, põe-se o anticelulítico (que já sabemos que não vai fazer nada, mas com tanta publicidade uma pessoa é obrigada a acreditar), hidrantante por todo o corpo daqueles que dão uma corzinha, arranjam-se as sobrancelhas, pintam-se as unhas dos pés e mãos, hidrata-se o rosto, veste-se uma camisa de dormir sexy e depois ..... passa-se a ferro mais uma tonelada de roupa.

segunda-feira, maio 11, 2009

exercício de equilibrio

Sou verdadeira, mesmo que quisesse não saberia ser de outra forma. Sou uma ave rara ingénua e incapaz de ser calculista. Dou tudo, bom e mau, aquilo que sinto mostro e digo sem fundo de reserva ou maneio. Não tenho vergonha de me mostrar frágil quando a vida assim insiste, não quero deixar de viver o bom com medo do mau que possa acontecer, não quero ter tempo a perder com jogos de esconde, esconde e mesmo aquilo que ás vezes tento esconder acabo a demonstrar porque sou demasiado transparente. Vem do fundo, dos meus fundos. Dou tudo e quando doi, esgoto-me... ainda assim insito na verdade e não me protejo.
Talvez a vida ainda não me tenha sido suficientemente madrasta para me mudar ou talvez a vida me tenha ensinado (à força) que é inútil resistir, ou então é a escolha que eu fiz (ingénua, bem sei) de querer dar tudo para receber tudo. Mas como (quase) tudo, o exercício do equilibrio é o mais difícil.

quarta-feira, abril 22, 2009

estou em falta

Há coisas que não se podem deixar de escrever, ou melhor, há agradecimentos que não se podem deixar de fazer, há sentimentos que se têm de valorizar e há também fragilidades que se devem partilhar... porque nos tornam mais humanos e mais fortes. Quando a vida nos dá uma lição daquelas é bom ter amizades que nos entendam, que não nos recriminam, que acreditam em nós e que aceitam a nossa decisão. Eu talvez não tenha sido tão boa a fazer este papel, quando um dia estive do outro lado. Sem dúvida aprendi uma lição. A minha vida pode já não ser tão perfeita, mas é sem dúvida muito mais rica. Obrigada. Vocês sabem.

sexta-feira, abril 17, 2009

obrigada a todos

pelas mensagens, pelos mails, pelos comentários e pelo carinho.
são todos uns kridos!!
obrigada.

e quem está a curtir estas férias forçadas?

Eu não sou, porque já só lá vou com drogas. Dizem os médicos que é tomar só em caso de sos, mas depois esquecem-se de dizer que esse é o nosso estado normal nos primeiros dias (espero).
Não, quem está a curtir estas férias forçadas é o senhor gato que, debaixo do edredon só se percebe a ponta do focinho e um ressonar regalado.

quarta-feira, abril 15, 2009

Feito!!!

De volta ao quarto, correu tudo bem, ainda estou meio grogue e logo à noite há visionamento do Porto-Manchester no "Hotel".

Um verdadeiro post à twiter

Directamente da enfermaria... perdão do hotel! Tenho a barriga às voltas, tensão normal, temperatura normal, umas meias muito sexys para vestir, TV, rádio e internet... e ainda não estou dopada!

terça-feira, abril 14, 2009

Os meus ovários são uns merdas*

*Seguindo a linha de pensamento de António Feio.


É isto que me apetece dizer porque, pela segunda vez, os meus ovários me deixam ficar mal. Pela segunda vez, não foram fortes (os sacanas) e deixaram crescer quistos à volta.
Há 6 anos passei por este medo... de perder os ovários, de não poder ter filhos, da anestesia, de acordar e não saber o que se tinha passado... esse era um dos grandes medos. Felizmente correu tudo bem, mantive os ovários (os sacaninhas), nunca tive de adormecer porque o anestesista se enganou e deu-me epidural em vez de anestesia geral, assisti à minha própria operação que eu recordo como um momento muito, muito divertido (ok, eu estava bastante dopada e passei por tudo numa de "paz, amor, e tudo nú", mas não deixou de ser divertido) e fiquei com uma cicatriz a que eu chamo um smile... porque era suposto ter sido um happy ending.

E é já amanhã que ganho outro smile. Agora os medos voltaram todos outra vez, perder os ovários, não poder ter filhos, qualidade de vida, anestesia, acordar e não saber o que se passou, e mais... será que vou ter de passar por isto outra vez? As pessoas à minha volta, por ser a segunda vez, devem achar que passou a ser normal e que eu devo estar mais calma... não é normal nem eu estou mais calma Até porque ainda não estou dopada.

E porque a vida também é isto, decidi partilhar. Agora torçam os dedinhos and wish me luck.
até já

segunda-feira, abril 13, 2009

uma certezinha*

Com a sorte que eu ando esta semana é melhor jogar no euromilhões.

*com os devidos créditos à elite.

segunda-feira, abril 06, 2009

Numa de Tim Gunn

Arrebanhei a roupa toda do armário e fiz uma criteriosa selecção à lá Tim Gunn. Assim, tudo o que não gosto de ver, que não fica bem, com cores erradas, com borbotos ou cor desmaiada está agora empacotado no escritório à espera de melhor destino. Há a dizer que por lá se encontram peças a estrear, algumas ainda com etiqueta, pelo que estou seriamente a pensar em fazer uma venda de garagem, ou então ir para a feira da ladra ou ainda fazer um programa de trocas. Alguém interessado?

ps- estou a pensar aplicar o mesmo às coisas de casa.

quinta-feira, abril 02, 2009

O dia até estava a correr tão bem...


Até queríamos ficar mais um bocadinho em Houmet souk, depois de percebermos o que tinhamos perdido e que o centro da ilha até era bem giro, e beber um sumo de laranja até porque ainda faltava 2 horas para o voo para Tunes. Mas os meus botões lá me diziam que era melhor ir andando.
Quando chegamos ao chek in o nosso voo não existia, tinha sido cancelado. O único voo partia dentro de 45m e estava cheio. Que porra, mas isto é assim? Depois de explicar ao manager do aeroporto que tinhamos mesmo de ir naquele voo porque no dia seguinte partíamos para Portugal... os 3 lugares apareceram, não faço ideia como (3 pessoas ficaram sem voo), mas a verdade é que seguímos viagem.
O voo foi rápido, sem escalas e com pouca turbulência. Começamos a fazer a abordagem à pista e o avião começa a ser sacudido de um lado para o outro e a descer que nem uma montanha russa. Não sei quanto tempo estivemos nisto, perdi a noção, vi a minha vida a começar a andar para trás e o meu pensamento foi "bolas, eu não quero morrer... ainda tenho muita coisa para fazer", foi isto "ainda tenho muita coisa para fazer", agarrada ao assento de olhos fechados a respirar que nem uma grávida em trabalho de parto. Os meus amigos pensaram "eu quero criar a minha filha". Não sei como, nem quanto tempo depois o avião estabilizou e passamos por cima do aeroporto... sem sabermos onde ia aterrar. subimos novamente, o avião vai dar a volta e tentar aterrar novamente. Pensamento "Meu deus, seja qual for o teu nome, Deus, Alá (juro que pensei isto!) por favor eu não quero morrer..." , enquanto o avião dava a volta e apitava um sinal de alarme, como aqueles que se vêem nos filmes. pronto é desta, não há hipótese, o avião tem uma avaria! querem cá ver que eu consegui tirar 3 infelizes do avião para ele agora se escaqueirar lá em baixo, é o fim... as minhas pernas saltavam sozinhas com os nervos, o alarme parou, o avião estabilizou, as rodas tocaram o chão e todos batemos palmas. Agora já não acho piroso bater palmas. E já não acho assim tanta piada a voar.

quarta-feira, abril 01, 2009

Tataouine
















Ksar Ouled Soltane











Ilha de Djerba
















Cape Bone (Korbus e Nabeaul)
















Cartago e museu do Bardo
















Sidi Bou Said





















Tunes

Medina de Tunes





Mercado de Tunes

terça-feira, março 31, 2009

Chokrane

Depois de muitos km percorridos, 1001 paisagens fantásticas, 1 lago salgado, vislumbre do deserto de areia, alguns berberes de montanha, 1 sorriso genuíno, 2 "aladinos" escondidos, 3 ksars, muitos oásis de montanha, algumas medinas, muito regateio, ruínas, 2 gaiolas, muitas portas azul Tunísia, alguns poucos precalços, 1 congresso, 2 museus, 7 voos (1 voo cancelado e 1 aterragem abortada - isto há-de dar outro post), 10 nacionalidades diferentes, falar em 4 línguas diferentes e ainda tentar em mais 2, 1 tatuagem de henna, pouco descanço, zero praia, 500 fotos (literalmente) e 1 palavra - chokrane, obrigada em árabe.

quinta-feira, março 26, 2009

directement de la tunisie...

Ou volto depressa para Portugal ou vao ter de vir buscar os camelos!!! chokrane.

sexta-feira, março 20, 2009

as coisas más também precisam ser escritas

O meu pai não é o melhor do mundo. Não é, nunca foi e nunca será (até aqui a esperança morreu).

quarta-feira, março 18, 2009

back to lab


meu gato brega

(mai lindo do mundo)

Não gosta de sheba, vomita com wiskas e só come marca branca do Jumbo! Adorável o meu gato brega.

acabaram as aulas

e eu sinto um alívio imenso, nunca me custou tanto dar as aulas, desbafo. E pergunto-me eu (e vocês provavelmente), mas eu não quero ser professora? Claro que quero, claro que gosto... mas este ano custou. Talvez pelo horário, pelos alunos e por algumas questões pessoais este ano foi custoso. Mas já acabou e acabou em bem e espero que para o ano haja mais. Mas por este ano, fico feliz por ter acabado.

segunda-feira, março 16, 2009

das duas três

ou existe por aí um egoísmo generalizado ou o meu mundo está cada vez mais pequenino. Ou então são as duas coisas.

estou cansada, não me canso de dizer... para dentro, e o mal é esse!

sábado, março 14, 2009

ameixas da minha avó

Acho que pela primeira vez na vida o acto de comer me faz memórias. A semana passada quando trinquei uma ameixa vermelha e madurinha fui transportada diretamente para a casa dos meus avós. Devia ter 6, 7 anos e nessa altura as semanas eram passadas na casa dos meus avós maternos. A casa ficava numa antiga quinta senhorial e a casa dos meus avós correspondia a uma das anteriores casas dos empregados, a da minha avó tinha uma particularidade... ficava no primeiro andar por cima de todas as outras. As divisões seguiam-se umas às outras, a cozinha, a sala, depois um quarto e finalmente o quarto dos meus avós. Não havia janelas, só clarabóias. A quinta tinha uma fileira de ameixeiras (brancas e vermelhas) que eu gostava de trepar e numa até tinha um baloiço. Todas as primaveras enchiamos sacos enormes com ameixas e guardávamos debaixo da cama, porque a minha avó "competia" com a vizinha para ver quem apanhava mais ameixas. Eram docinhas, deliciosas, tal como as que eu tenho comprado todas as semanas... pelas memórias que me trazem.

segunda-feira, março 09, 2009

pedidos, requisições oficiais e avisos de recepção

eu sou das pessoas que se chegam à frente, que sentindo a ansiedade do pedido nos outros já me estou a oferecer evitando que se sintam constrangidos, que faz sem ser preciso pedirem, que se sente mal se há um reparo a um gesto perdido, que se for chamada às 3 da manhã eu vou, onde for. Não me queixo de o fazer. Mas tenho o defeito de esperar o mesmo dos outros e a profunda desilusão quando isso não acontece.

ps. estou cansada.

quarta-feira, março 04, 2009

world wide web

É impressão minha ou cada vez mais as pessoas transportam (será melhor dizer descarregam) a sua vida na world wide web? às tantas parece que tudo se vive nesse mundo virtual, onde tudo pode ser mais bonito apenas pelo teclar das palavras certas (com direito a correcção de erros). Ele é facebook, Hi5, orkut, twiter, blogs, flickr, MSN... qualquer pessoa em qualquer lado pode saber da vida de um completo desconhecido, com actualizações quase ao minuto e fotografias a acompanhar! E ninguém parece se importar muito se mais de 50% da sua vida se passe na WWW. Eu, utilizadora de quase todas estas aplicações me confesso, sim é muito engraçado saber que um amigo vai de viagem à neve proximamente, ou que experimentou determinado restaurante e que até postou no seu blog umas belissimas fotos da última viagem a Paris (onde também eu quero ir) e saber do Carnaval dos meus amigos baianos de quem tenho muitas saudades. É interessante e muito diferente de saber se a pessoa foi à casa de banho há 2 minutos ou há 6 minutos atrás.
Menos...

terça-feira, março 03, 2009

to do list until end march

@ home

  • organizar as fotos de 2008 [done]
  • ler o manual grande da máquina fotográfica e o livro de fotografia que me ofereceram
  • selecionar as fotos de 2008 para imprimir
  • marcar viagem citi
  • aplicar as poupanças (de preferências antes de as gastar)

@ work/ doutoramento

  • entregar a renovação da bolsa [done] --> bolsa renovada
  • entregar pedido de subsídio [done]
  • verificar a reprodutibilidade dos dados
  • fazer a análise estatística (com pelo menos 3 softwares)
  • fazer poster [done]
  • inscrição no congresso [done]
  • terminar artigo MP [done]
  • preparar aulas (3/3) [done]

@me

  • perder 1Kg
  • consulta
  • acabar tratamento derma
  • FDS neve

segunda-feira, fevereiro 23, 2009

bipolar às vezes

tenho duas lias dentro de mim, tipo anjinho e diabinho, uma sabe perfeitamente aquilo que quer e aquilo que efectivamente pode ter, a outra só sabe o que quer, vive literalmente uns meses mais à frente, salta barreiras e faz exigências. A primeira é mais comedida, mais real, mais verdadeira. E EU, por muito que queira e me sinta melhor na pele da lia verdadeira, não consigo controlar a outra lia, essa que saiu desvairada a correr à minha frente a dizer disparates como se não houvesse amanhã.

terça-feira, fevereiro 17, 2009

estou aqui numa dúvida

Não sei se tenho sono, se tenho fome. Ou melhor, sei que tenho sono, só não sei se isso me dá para comer... mas por via das dúvidas (e à falta de cama)...

(é uma chatice ter a comida como forma de compensação para todas as outras chatices)

(chiça, que post mais imbricado)

segunda-feira, fevereiro 16, 2009

eu tenho lá idade para ter 30 anos!


e isto só me bateu quando à frente do instrutor do ginásio, me vi obrigada a escrever a minha idade.
Nesse momento, encolhi-me com medo do ar reprovador, senti que estava a enganar toda a gente... eu tenho lá idade para ter 3o anos, quanto mais 31!!
Recuso-me, simplesmente.

quarta-feira, fevereiro 11, 2009

ando muito caseira

e depois é isto....

Lista de filmes a ver:
Slumdog milionaire
Doubt
the curious case of Benjamim Button
Vicky Cristina Barcelona
Revolutionary Road
The Reader

eu acho que nunca houve uma altura em que houvessem tantos filmes interessantes para ver e tanta vontade de ficar em casa aninhada (claro que ter máquina de fazer pipocas em casa também ajuda ;))

segunda-feira, fevereiro 09, 2009

here we go again...

cinco anos depois, vou ganhar mais um smile na barriga.

(para contar mais tarde)

terça-feira, fevereiro 03, 2009

papéis por todo o lado...

já não há organização possível, quando a única forma de organizar é escrever listas do que fazer em mais um papel que, obviamente, fica espalhado. Aos poucos, e a custo, vamos riscando os pontos da lista. E escrevo, escrevo... desde que vim do Brasil não faço outra coisa. Passar da porta do lab parece impossível. Projecto, um artigo, outro artigo, agora as aulas, depois um poster e mesmo assim, pelo meio, vou recusando algumas coisas. porque o tempo não estica e eu também não. E aqui estou eu outra vez a escrever... cheia de pena de não ter cabeça nem paciência para postar as tantas coisas que tenho para contar, ainda da idade do Brasil e do aniversário, e da vida, e do sobrinho que é alérgico ao primo (leia-se gato), e de mim.
saudades de escrever aqui.

Amor é...

copos de leite quente e petit gateaux a meias.

post (it)


Mostrem a vossa caligrafia