quinta-feira, julho 28, 2005

[post-it!]

(porque não há tempo pra mais...)

1- Ganhei o último prémio do Euromilhões... vai dar para pagar o que gastei, pagar as apostas desta semana (se não me esquecer de jogar) e ainda pagar 3 cafés!! uau!!.

2- O fato do mano está comprado, o fato da mãe está comprado... e eu estou a sofrer pressões de todos os lados para também comprar um novo para mim... o que implica (para além de ganhar algum dinheiro no Euromilhões) mais uns dias de stress, agora a tentar conjugar uma nova toilete com as super sandalocas!!

3- Fui ver pela segunda vez os The Gift (espectaculares)... mas desta vez o espectáculo era outro bem mais divertido...ehehe.

4- Comida vegetariana é deliciosa, especialmente quando o cozinheiro tem jeito, estamos na companhia de amigos e todos os sorrisos fazem sentido.

5- fiquei viciada em Sudoku, de tal forma que hoje pela primeira vez na vida me esqueci de sair na minha estação, mais um bocadinho e ia parar a Alverca!!

6- Tou cansada e a precisar urgentemente de férias... o messmo será dizer que é bom que me saia o Euromilhões porque eu estou muito precisada!!

sexta-feira, julho 22, 2005

[euromilhões]

desta vez não me apanharam desprevenida...
Ainda não consegui perceber muito bem quanto é que está em jogo, falaram nuns 90 milhões de euros... mas eu fiquei na mesma. Para além de ter que passar para escudos ainda tive que dividir a quantia em parcelas para ter uma ideia do que realmente é ser excêntrico... qualquer coisa como: 180 X 100 mil contos... coisa pouca portantoS.
[muito, muito bom]

Image hosted by Photobucket.com

...tenho tanto por dizer, tanto por te contar
que a vida não chega...

quarta-feira, julho 20, 2005

[limpezas de verão]

primeiro foram as 3700 fotos que foram devidamente arquivadas em pastas, algumas foram enviadas por mail (eu sei que ainda faltam algumas, mas com calma a coisa faz-se), outras serão reveladas... eu não vivo sem fotos em que possa tocar. Depois foi o computador que sofreu uma limpeza de alto a baixo, é incrível a quantidade de documentos que acumulamos ao longo do tempo. Breve passagem pelo mail para arrumar os contactos, o HI5 também sofreu alguns acrescentos. Limpeza aqui também no blog com alguns a entrar e outros a sair. As tarefas até às férias estão já todas delineadas, os preparativos para o casamento a andar sobre rodas. Quando esta maratona acabar, a 4 de Setembro, as minhas férias também vão saber a lua-de-mel... olari! (como diz a ruivinha).

segunda-feira, julho 18, 2005

[eating weekend]

Sábado: aniversário da avó de Viseu (minha por afinidade).
Domingo: um fim de tarde entre amigos ao som do sol e ao sabor de uma bela caracolada.

resumindo e baralhando passei o fds a comer!

ps. não repetir muitas vezes sob pena de ficar com peso na consciência e não só...

sexta-feira, julho 15, 2005

[aposto]

que me vou esquecer de jogar no euromilhões!
[Lisboa]

Image hosted by Photobucket.com
Lisboa vista do castelo 14/07/2005

Adoro esta cidade. Cada vez que me deparo com as paisagens de Lisboa sinto um enorme orgulho em poder dizer, esta é a minha cidade! Posso viajar e conhecer cidades lindíssimas, mas de cada vez que viajo, mais tenho a certeza que é aqui que quero estar, é aqui que me sinto em casa, é aqui que me perco e me encontro. Conheço-lhe as ruas, as avenidas, os recantos, o rio, os cacilheiros, sei onde vou encontar os mais bonitos jardins e de onde vislumbro as mais bonitas paisagens e mesmo correndo o risco de perder o elemento surpresa, acabo sempre por me surpreender.

quinta-feira, julho 14, 2005

[rosas vermelhas]

Em número ímpar, porque a flor que falta sou eu. Pequenos [grandes] apontamentos de felicidade. Não são as rosas, meu amor, é saber que te lembras de mim, que sabes o que eu gosto e que te preocupas com os pormenores... aqueles que fazem toda a diferença, que nos enchem novamente os pulmões de ar e a cara de sorrisos, como da primeira vez. Amo-te... tu sabes como!

ps. já gastei todos os créditos... ;)

quarta-feira, julho 13, 2005

[3700]

o número de fotos que tirei em 6 meses de máquina fotográfica digital!

terça-feira, julho 12, 2005

[ainda tens que me dizer...]
Image hosted by Photobucket.com
chalet, 12/07/2005

Deixa-te ficar na minha casa
Há janelas que tu não abriste
O luar espera por ti quando for a maré vasa
Ainda tens que me dizer porque é que nunca partiste

Está na mesma esse jardim com vista sobre a cidade
Onde fazia de conta que escapava do presente
Qualquer coisa que ficou, que é da nossa eternidade
Hmmmm
Afinal eternamente!


Deixa-te ficar na minha casa - Filarmónica Gil

segunda-feira, julho 11, 2005

[chill out weekend]

Image hosted by Photobucket.com
sábado, Santa Cruz

Image hosted by Photobucket.com
Domingo, Meco

e assim deveriam ser todos os fins de semana!

sexta-feira, julho 08, 2005

[major flop]

Guerra dos mundos, o exemplo perfeito de como a publicidade pode ser enganadora. Um único ponto a favor, o filme não acaba com uma bandeira americana em fundo.

quinta-feira, julho 07, 2005

[ai... se eu fosse policia]

O dinheiro que eu não arranjava ao estado só com um, unzinho, transgressor do código de estrada que se encontrava estacionado no meio da estrada, em contra-mão, numa curva com pouca visibilidade que é também um cruzamento... para compôr ainda mais o ramalhete, teve o requinte de colocar protectores para o sol para mostrar que estava para ficar! pergunto eu... será que a carta de condução, para alguns sai mesmo na farinha amparo?
E por falar em carta de condução.... Parabéns amiguinho, e nada de fazer estes disparates!
[2 anos e meio mais tarde...]

Chega finalmente o meu diploma, aliás Carta de Curso, o papelinho milagroso que supostamente abre portas a nível profissional, aquele que comprova uns aninhos de árduo estudo e que me lembra a pouca farra e pouca folia estudantil. Não tenho grandes recordações e não guardo muitas saudades desses tempos, mas ao menos que se sele essa fase com um papel de qualidade, boa classificação e selo branco.

segunda-feira, julho 04, 2005

[...]

Por vezes é necessário abanar os nossos alicerces para ver se cntinuam firmes, mesmo correndo o risco de se perder algo pelo meio (ou mesmo tudo), na certeza que tudo o que resta fica mais forte.