sábado, dezembro 31, 2011

2011

Foi uma caminhada.
Foi um ano para resolver as minhas questões, de me pôr bem, acreditar e seguir em frente. Foi coisa para durar até ao último dia do ano... quando todas as peças se encaixaram e, com alguma tristeza, tudo passou a fazer sentido.
Foi uma caminhada cheia de altos, baixos e alguns atalhos.
Foi uma caminhada cheia de gente à minha volta, senti-me como um ciclista na volta a Portugal... havia sempre gente na estrada com incentivos e garrafas de água ;)... sempre!
Foi uma caminhada de auto-conhecimento, de crescimento, de perdão e de agradecimento.
Foi uma caminhada longa, dolorosa, mas muito muito gostosa.
E a única coisa que pedi para 2011, está comigo...
Estou pronta!

Best of 2011



quarta-feira, dezembro 28, 2011

Afinal sou coruja

Tantos anos a achar que era cotovia, quase a obrigar-me a levantar cedo e a culpar-me por não o fazer, a achar que trabalhava melhor de manhã, quando na realidade só começava a produzir a meio da manhã (e com sorte)... a achar que de manhã é que começa o dia e depois a acumular a culpa por não me sentir exactamente a seguir esse plano. Sou coruja, trabalho melhor à tarde e à noite, e de longe prefiro deitar-me tarde a levantar cedo... e é altura de me deixar de sentir culpada por isso. Chego tarde ao trabalho, é verdade... mas fico até às 20h (ou mais), produzo muito mais, e sinto-me menos cansada. Anos a contrariar o meu ritmo, só porque se me meteu na cabeça que o certo era outra coisa. Quantas e quantas vezes, trocamos as voltas à nossa vida por ideias pré-concebidas. Isto é só um pequeno, mas com grande impacto, exemplo disso.

segunda-feira, dezembro 26, 2011

O Natal cá em casa


A tradição cá em casa é haver discussão. Gostava muito de ter uma família unida, daquelas que têm muito gosto em se juntar e rir muito à mesa e a minha não podia estar mais longe desse ideal. Nunca foi muito unida e cada vez é mais pequena. No entanto este ano, foi diferente. Este ano na véspera de Natal fui visitar o meu avô ao lar e fiquei ali, com a sensação plena que tenho de aproveitar enquanto ele cá está, mesmo que seja só para lhe perguntar como está e ouvir sempre a mesma resposta. Depois fui visitar a minha avó, e fiquei ali umas 2 horas a ouvi-la falar... acho que nunca tive uma conversa tão longa com ela. Senti-me ganhar raízes, que muito me estavam a faltar.
Depois foi ceia e almoço cá em casa, na paz, no quentinho, com a parte materna da família e com a criança cá de casa a fazer das suas.
Todos os anos gosto menos do Natal e todos os anos sinto a esperança de que corra bem diminuir. Este ano... a minha esperança saiu renovada.

quinta-feira, dezembro 22, 2011

agora percebo porque nos meus natais de infância as pêugas eram uma prenda recorrente

Hoje, embuída de um resto de espírito natalício que não sei de onde veio, meti-me na primark e comprei as minhas prendas de Natal todas, papel de embrulho incluso. Estou muito mais feliz, e a minha conta também não.

ps- vá, só uma prenda é efectivamente um par de meias, mas em giras!

segunda-feira, dezembro 19, 2011

new header help

é só no meu computador ou no vosso também aparece o header com baixa resolução?

segunda-feira, dezembro 12, 2011

bipolaridades

Quando percebo que, para escrever a tese, tanto encontro conforto e inspiração com este som, como com este. Pois é, meus amores... this is WAR. ;)

domingo, dezembro 11, 2011

ninguém pode sonhar por ti!



e os meus começam a crescer e a desenhar-se, cada vez maiores, cada vez mais fortes.. e não faz mal se, a vida não os trouxer, só sonhar é já um pedacinho do sonho e por isso já vale, toda, a pena.
;)

sábado, dezembro 10, 2011

apetecia-me tanto!

coincidências

Perdida na blogosfera, o título de um blog chamou-me a atenção, porque tinha o título que eu já tinha pensado para o meu próximo blog. Entrei, comecei a ler e percebi que tudo o que lá está poderia ser escrito por mim. Aliás, comecei a pensar que os meus amigos poderiam achar que sou eu que o escrevo (não amigos, este é o meu único blog). Há sempre um reconforto mórbido em saber que alguém passa pelo mesmo que nós, pensa como nós... de certa forma faz-nos sentir mais normais no meio de toda a loucura a que se assemelha a nossa vida. Afinal, tudo isto é normal.

quarta-feira, dezembro 07, 2011

o maior luxo

e ás vezes é SÓ isto, o meu sofá, o aquecedor ligado, as luzes na árvore de Natal, um gato a arrancar bolas da árvore de Natal e um piano amigo a tocar, o maior luxo de todos - Paz.

quarta-feira, novembro 23, 2011

bad dream

e derrepente estava ali e não tinha carro, mas tinha a sensação que tinha chegado ali de carro... no meu carro. Mas afinal não, e eu precisava de um, mas alguém achava que não. eu estava ali, chegada por amor, o meu amor. Mas já não havia amor naquele sítio. Eu estava ali, e por momentos não percebi se deslocada no tempo, se só deslocada da vida.

terça-feira, novembro 22, 2011

50% DONE!

a completar até 21 de Janeiro de 2013:

a rosa- o que foi feito
a cinza - o que foi modificado porque já não fazia sentido
a preto- o que falta fazer

1. organizar todos os ficheiros do meu computador portátil (Abril.2011)
2. fazer um tratamento num SPA
3. limpar, reciclar e arrumar o meu jardim --> limpar e arrumar a minha arrecadação (Julho.2011)4. encontrar o meu equilibrio (2012)
5. participar num peddy papper (Setembro.2012)
6. voltar ao ginásio --> praticar mais desporto ao ar livre (Junho.2011)
7. publicar 3 artigos científicos (2/3) (Nov2011/Set.2012)
8. fazer um curso de fotografia (Junho-Julho.2012)
9. preparar uma viagem surpresa ;) --> fazer uma viagem de grupo
10. casar-me
11. beber um expresso em 3 cidades europeias
12. escolher fotografias bonitas para por em porta retratos --> fazer a minha photo wall
13. fazer a minha foto wall --> surpreender alguém
14. emagrecer 5 kg (n sei, mas emagreci e sinto-me bem)
15. ser mãe
16. completar o nível intermédio em snowboard
17. Pisar o continente Australiano --> Ir a Bali
18. ler 20 livros (1. Quando tudo se desfaz ; 2. Cartas de Amor de Grandes Mulheres; 3. A arte da simplicidade; 4. Projecto Felicidade; 5. O segredo; 6. O teste da Paixão 7. Os homens que odeiam as mulheres 8. A rapariga que sonhava com uma lata de gasolina e um fósforo)
19. escrever uma carta de amor, tola como todas as cartas de amor
20. ir ao Rio de Janeiro (Outubro.2010)
21. pintar 1 quadro a óleo
22. fazer babysiting para os meus irmãos
23. voltar a fazer aulas de dança
24. comprar uma bimby (oferecida em Maio.2010)
25. fazer jantares internacionais lá em casa (brasil, tailândia)
26. plantar uma árvore --> perder a vergonha
27. comprar um artigo numa sexshop
28. arranjar um emprego --> actualizar os meus dados na carta de condução, no banco, no cartão do cidadão, multicare, e restantes contratos
29. Acabar o doutoramento (Jan.2013)
30. conseguir um emprego em que me sinta realizada (quando acabar o doutoramento)
31.
ganhar dinheiro num jogo de poker (Outubro.2010)
32. aprender a fazer um nó de gravata
33. conhecer uma das 7 maravilhas modernas (Cristo Redentor -Outubro.2010)
34. participar num protesto --> comer fruta todos os dias durante um mês
35. tomar um banho de imersão, com direito a velas e óleos aromáticos (Outubro.2010)
36. ir ao teatro (Agosto.2011; Novembro.2011)
37. visitar a Quinta da Regaleira e o palácio da Pena
38. poupar dinheiro e colocar na conta poupança (Agosto.2010. Fevereiro.2011)
39. levar o meu sobrinho a visitar o oceanário
40. tornar-me dadora de sangue
41. decorar uma casa nova (Março.2011)
42. comprar um carro (Dezembro.2010)
43. fazer o tratamento derma nas mãos
44. fazer a palpação da mama regularmente
45. comprar um alisador para o cabelo --> comprar um Trivial persuit (party, Junho.2011)
46. poupar dinheiro --> fazer uma lista de todas as despesas durante um mês e ver onde posso poupar (todos os meses... não dá para poupar!)
47. nadar com golfinhos
48. começar um negócio, nem que seja pequenino (Maio.2011/Outubro.2012)
49. aprender a fazer feijoada à brasileira, sopa de cação e caldo de farinha, como as nossas avós --> fazer caril verde e sitcky rice com manga, comestível
50. ver aprovado um projecto submetido à FCT (Setembro.2010)
51. fazer backups de todos os meus PCs (último em Dez.2012)
52. Comprar um disco externo --> comprar um mapa mundi para por na parede
53. encontrar banqueta para a entrada --> colocar o papel de parede na entrada (Julho.2011)
54. passar o ano novo num sítio quente
55. dormir no Deserto
56. resolver o problema das gengivas do gato
57. Ir ao museu Berardo (Agosto.2012) e ao do oriente
58. Ver o nascer do sol
59. marcar consulta no dentista
60. limpar/arrumar armário da roupa, 1 vez por ano (Março.2011, Setembro.2012)
61. analisar os dados moleculares (Janeiro.2011)
62. sorrir todos os dias (acho que sim)
63. escrever uma carta para mim, para abrir daqui a 1 ano (Janeiro.2011)
64. fazer uma lista com 100 coisas que me fazem feliz
65. visitar o jardim zoológico --> fazer uma escapadinha de 6 em 6 meses
66. voltar a usar relógio --> colocar pilha no relógio
67. renovar o passaporte
68. comprar um telemóvel decente (Dezembro.2010)
69. fazer albuns de fotografias das minhas viagens
70. fazer outra sessão spoil ou fazer 1 sessão fotográfica cá em casa, nós como fotógrafos (Agosto.2011)
71. fazer um diário do que como durante 15 dias e perceber o que devo mudar
72. fazer uma "venda de garagem" --> arranjar vidro do carro
73. fazer um livro de receitas virtual --> aprender a fazer feijoada (Portuguesa e Brasileira)
74. tirar fotografias numa cabine de fotos
75. por um dia, fingir que sou turista na minha cidade
76. mandar fazer a baínha dos cortinados do meu quarto --> organizar uma festa sopimpa, para inauguração da casa
77. decorar um novo quarto --> comprar um espelho para o quarto (Janeiro.2012)
78. doar dinheiro ou tempo para uma instituição
79. levar o meu sobrinho a fazer um workshop para crianças
80. deixar de ser tão preguiçosa (Maio.2011)
81. limpeza geral no lab
82. kiss in the rain
83. fazer um workshop de dança, a pares --> abraçar com o coração
84. fazer um picnic na praia
85. organizar a papelada burocrática em pastas (Maio.2011, Maio.2012)
86. dar uma volta a casa e livrar-me de toda a tralha que já não interessa --> arrumar e decorar o escritório (Julho.2011)
87. comprar uns óculos de sol decentes (2012)
88. voltar a jogar paintball (sem medos) --> voltar ao gym (Maio.2012)
89. fazer um bolo extravagante (Maio.2010)
90. pegar nas bicicletas extra, jogos, brinquedos, roupa, escolher uma instituição e ir lá entregar --> dar o que já não me faz falta a amigos ou a instituições
91. visitar o meu avô mais regularmente
92. consulta no nutricionista --> consulta ginecologista (Junho.2011, Julho.2012)
93. organizar um jantar do volley
94. encontrar o meu caminho
95. comprar casa (Março.2011)
96. fall in love
97. fazer um hapiness project
98. Dançar à chuva
99. rir até chorar
100. voltar a acreditar (Março.2011)
101. voltar ao brasil (não esquecer de pagar a multa antes ;))

quinta-feira, novembro 10, 2011

porque não consigo escrever

Ando há demasiado tempo a tentar perceber porque não consigo escrever.
Não consigo escrever por falta de tempo, é um facto. O tempo escorrega-me entre os dedos, ando sempre a correr de um lado para o outro, demasiado ocupada para parar, pensar e escrever. Demasiado ocupada para ter assunto para além dos problemas. E desses eu prefiro não pensar ou escrever, nem faz parte de mim fazê-lo, tal como também não me dá qualquer prazer ler blogues que se focam nas queixas diárias do trânsito, da colega, do trabalho, do marido... os problemas dos outros cansam-me, as pessoas que se focam demasiado nos seus problemas cansam-me, não só pelos seus, mas porque me obrigam a pensar nos meus por comparação.

Não consigo escrever, principalmente, porque se quebrou algo dentro de mim, que não me permite acreditar que o que escrevo possa perdurar. Na minha cabeça está a formar-se uma nova mentalidade, há sonhos antigos que são para deitar fora e que ainda não os deixei sair, há sonhos novos e antigos que ainda não sei como concretizar e há sonhos novos que eu ainda não consigo perceber se estão lá porque eu quero ou porque tem de ser. A minha cabeça é uma enorme encruzelhada e isso assusta-me, porque o que escrevo hoje, amanhã pode já não ser.

E
neste exercício vou demorando a minha escrita.

segunda-feira, outubro 24, 2011

e voltamos ao Outono

Brindamos com uma tarde chuvosa de filmes e conversa, cá dentro cheira a bolo a castanhas assadas e a riso. A chuva lá fora lava todo o pó que se acumulou nos últimos tempos, sabe bem ouvi-la cair. Cá dentro está quentinho, o gato enrosca-se num mimo pegado. O tempo passa devagarinho e eu sinto o meu coração amolecer devagar. Talvez nem tudo se tenha perdido, talvez o tempo cure como me prometem, talvez seja isso que me dizem... é preciso sentir o calor, mesmo em dias frios e chuvosos...
Cá dentro faz sol.

quarta-feira, outubro 05, 2011

há, precisamente, um ano atrás









tudo parecia doce, como a língua Portuguesa na boca de um Brasileiro

há dias assim

Em que se passa um dia perfeitamente adequado para ir para a praia e descansar (que é aquilo de que mais preciso), em casa a tratar das coisas pequeninas. Levar as malas para a arrecadação, pesquisar uns artigos, procurar música nova, organizar filmes, fotografias e documentos no PC, orientar a agenda, arranjar as unhas, procurar roupa perdida (não sei bem onde), há espera de um mail de trabalho que não chega, a bater papo no facebook e a aproveitar a minha casa. Um dia perfeitamente "desperdiçado" com minúcias, mas que me proporciona um grande sentimento de descompressão.

terça-feira, setembro 27, 2011

4






4 anos do meu amor mais pequeno. cresce, cresce, não pára de crescer... está tão grande o meu mushroom ;)...




quinta-feira, setembro 01, 2011

será?



tantas decisões para tomar, com implicações umas nas outras...



quarta-feira, agosto 03, 2011

quanto tempo o tempo tem?

A vida corre devagar, demasiado devagarinho. E um ano passa num instante. E um ano é muito pouco tempo afinal.

E eu preciso de férias... muita paz e sossego. Um ano não chegava.

domingo, julho 03, 2011

53. colocar papel de parede no hall



O rolo de papel de parede foi a primeira compra que fiz para a minha casa. excentricidade... mas não resisti, ele transmite exactamente aquilo que eu queria sentir cada vez que chego a casa :-).


PS- Obrigada amigas, ficou perfeito!

quarta-feira, junho 29, 2011

Só saio daqui para melhor

É tão boa a crónica de Pedro Rolo Duarte deste mês na revista Lux Woman que tive vontade de a transcrever inteirinha. Não foi toda, mas foi quase. Identifiquei-me com tantos dos sentimentos ali descritos e só espero recuperar, nos 5 anos de difrença, aquilo que ainda não tive apesar de ter decidido aliviar a bóia.


"Separei-me - ou melhor dito, divorciei-me- há dez anos. (...) Os anos que se seguiram foram vagamente caóticos, algures entre a negação de um falhanço e aqueles coices disparatados dos animais, sem direcção certa, sem rumo, apenas com vontade. Aos 37 anos eu queria tudo menos perder tempo, por isso decidi refazer a minha vida o mais depressa que fosse possível. Queria voltar a casar, queria ser pai outra vez, queria fazer tudo igual, mas desta vez bem feito.

(...)

Acordei antes do salto final para o abismo. E decidi aproveitar o tempo - isto é, viver. O verbo é muito fácil de conjugar, muito difícil de praticar. Viver, nestas circunstâncias, significa uma séria de outros verbos: crescer, amadurecer, aprender, esperar, acrescentar. Nem sempre eles se conjugam com os dias, é verdade, mas tentar não custa.

(...)

Aprendi a viver no caos. E a tirar partido dele. De certa forma, tornei-me uma espécie de livro permanente de auto-ajuda, procurando tirar dos maus momentos os bons ensinamentos, e aplicando o que fui aprendendo nos passos seguintes. Muitas vezes invejei os casais felizes que via nos restaurantes ou na praia ou no jardim, muitas vezes me interroguei sobre o facto de não ter voltado a casar. Mas a cada pergunta-isto é, a cada momento vivido-, obtive sempre a mesma resposta: não tenho de me resignar a uma vida que me fará infeliz. Nem a uma paz podre sem saída. Nem à submissão a um estereótipo social. A partir do momento em que aprendi a estar comigo, e a gostar de estar comigo, o patamar de exigência subiu: só saio daqui para melhor. Para muito melhor. E foi como se tirasse o pipo a uma bóia- a pressão baixou, o ar começou a circular livremente, e eu deixei de ser ingénuo quando vejo uma família aparentemente feliz num almoço de domingo.

(...)

O que quer isto dizer? Algo tão simples que parece tolo, mas talvez devesse ser o começo de qualquer reflexão: somos nós que fazemos a nossa vida. "

quarta-feira, junho 22, 2011

giving time a time

A minha vida assemelha-se às estações do ano, tive a minha Primavera de corropio, mudanças, fantasia, ritmo acelerado, novidade e pressa de chegar a algum lado. Cheguei, cheguei ao meu porto seguro e daqui não vou sair para mais lado nenhum. Porque por muito que eu queira, eu não consigo lavar a minha alma no duche, eu não esqueço quando decido que quero esquecer e não deixa de doer quando eu digo basta... tudo tem um tempo e eu decidi dar-me esse tempo e aproveitar o momento, sem decisões, sem procurar, sem esperar... chegou o Verão.

sexta-feira, junho 17, 2011

eu quero

"Eu quero nós. Mais nós. Grudados. Enrolados. Amarrados. Jogados no tapete da sala. Nós que não atam nem desatam. Eu quero pouco e quero mais. Quero você. Quero eu. Quero domingos de manhã. Quero cama desarrumada, lençol, café e travesseiro. Quero seu beijo. Quero seu cheiro. Quero aquele olhar que não cansa, o desejo que escorre pela boca e o minuto no segundo seguinte: nada é muito quando é demais."

Caio Fernando Abreu

segunda-feira, junho 06, 2011

me, myself and I (nem de propósito)

Acordei, não muito cedo, e decidi que ia ter um Domingo para mim, sozinha, a fazer as coisas que gosto de fazer e que me fazem feliz. Iria até Belém, comprava um latte e sentava na relva a ler o meu livro. Assim que saí de casa fui desafiada para ir aos pasteis de Belém com a minha L., e aproveitei para conhecer a F. e o J. (que fazem um casal muito feliz, sente-se ;)). Depois passeie junto ao rio e almocei, nos sofás, no Bar do Altis Belém. Depois de 2 horas de leitura, acompanhada de uma tosta de queijo e rúcula, sou desafiada para cinema. Nem morta que me tiram daqui... a paisagem estava fantástica e não era precisa nenhuma companhia. Saí mais tarde e fui votar, depois fui levar pasteis de Belém à família que estava nas mesas de voto a trabalhar, ficaram tão contentes com a surpresa (ou seria com os docinhos ;)). Segui para casa, precisava da minha calma para resolver definitivamente um assunto pendente. Resolvido, catarse e segui para casa dos meus amigos para jantar e ser a biggest looser da semana. Terminámos a noite a jogar snooker. Foi um dia tão cheio, tão antagónico e que espelha tão bem o que por aqui anda. Senti o coração cheio, a vida cheia... e queria tanto partilhar. E esta frase diz tudo.

so true

"quando somos bons nem sempre somos felizes, mas quando somos felizes, somos sempre bons"

Oscar Wilde

E eu este fim de semana tive um dos melhores domingos de sempre.

quarta-feira, maio 11, 2011

Mi casa es tu casa

Gosto muito que a minha casa seja o ponto de encontro dos amigos, o jantar em cima do joelho de enfiar 2 ou 3 pizzas no forno e acompanhar com um (ou mais) copo de vinho, o poker night com amigos a chegar à meia noite, as conversas cúmplices entre nexpressos, petit gateux e cigarros (cada qual com seu vício), os brindes em todos os jantares, e os filmes (preciso de comprar um DVD urgentemente) no sofá. Gosto das confidências, dos sorrisos, dos olhares e dos pés descalços dos meus amigos em minha casa. Gosto da minha casa e gosto que os meus amigos se sintam em casa, em minha casa.

quarta-feira, abril 20, 2011

1 mês, 6 meses, 1 ano

"tudo passa,
tudo finda
a dor maior
a ilusão mais linda"

Eronides Chalegre

quinta-feira, abril 07, 2011

um mês depois

A minha casa está praticamente pronta, montada... e não digo finalizada, porque ainda lhe faltam algumas coisas, que eu faço porque faltem, porque quero que continue a ser um projecto em aberto. Quero com isto dizer, que provavelmente está mais finalizada que a minha anterior em cinco anos, pronto era esta a conclusão a que eu (não?) queria chegar... mas não me vou alongar por aí. Meti mãos à obra, literalmente, e no dia a seguir à escritura estava a colar as amostras de tinta nas paredes enquanto bebia champanhe de um copo de plástico (cena muito à filme que aconteceu apenas porque não tinha ainda água em casa e era a única coisa que tinha para beber , mas que me soube bem para caraças). Todas as paredes foram pintadas por mim, e nesses dias descobri como pintar pode ser tão terapêutico, limpar nem tanto, fiquei uma verdadeira mestre de obras... aplicar primários, aparafusar puxadores e até corrigi rodapés (não sabem o que é? contratem-me ;)). Escolhi todos os electrodomésticos e consegui enfiá-los a eles e a mais um despenseiro na minha minúscula cozinha... que agora até nem me parece tão minúscula. O Leroy Merlin passou a ser a minha Zara, houve um dia que lá fui 3 vezes seguidas para comprar uma bicha para o esquentador... da última vez já me despedi do empregado a dizer que desejava não o ver mais nessa noite (ele riu-se). Desenhei móveis, fiz orçamentos, só comprei alguns ;), arranjei algumas coisas que estavam estragadas, desenhei a minha cama que chegou ontem e que o meu gato já tratou de estragar. É uma casa, não é um museu. Mas é a minha casa, que eu agora mostro como se fosse um, cada vez que chega ou faço uma coisa nova. É a minha casa e está a minha cara (bonita ;) ). A minha relação com o banco passou a ser muito próxima, um mês depois já amortizei 50 euros na minha casa, arranjei um outro emprego e voltei a acreditar. como é que tudo isto aconteceu num mês? ...a vida reserva-nos muitas surpresas.

terça-feira, abril 05, 2011

breaking point

ligeiramente descaído... não fazia ideia. Tal como também não faço ideia se isso é bom ou mau. Tal como também não sei se quero descobrir onde ele está. Eu só sei que nada sei... cada vez menos.

segunda-feira, abril 04, 2011

sexta-feira, abril 01, 2011

hoje é o primeiro dia, do resto da minha vida

(e não é mentirinha nenhuma) Mudei-me com a Primavera (e com os censos ;)), mas hoje marca-se o ponto de não retorno, o início, vira-se a página e começa-se a escrever de novo. Hoje tenho uma página em branco onde já se desenham novas esperanças, novas espectativas e também novos erros. Mas não faz mal porque são novos, não são repetidos. Hoje marca-se no calendário a alta, o coração já não está esfrangalhado, embora também não se apresente forte para grandes embates... mas a esperança, ai a esperança, ainda bem que sobrou esse antídoto, esse que faz reset and hit play again (quase) ignorando o medo. Hoje começa o último ano do meu doutoramento... parece que ainda ontem me estava a candidatar e vai-se a ver, já estou na recta final, parece que tudo se vai encaminhando, encaixando, finalizando. Hoje encho os pulmões de ar e sorrio... hoje é o primeiro dia do resto da minha vida. (... e a água não está assim tão fria ;))

sexta-feira, março 18, 2011

quarta-feira, março 16, 2011

sexta-feira, fevereiro 11, 2011

sozinha não é o termo

certo, certo?

Não é que a vida se resolva sozinha, por ela própria. Mas resolve-se ou vai-se resolvendo. Mesmo que não queiramos ou não sabendo como... a vida anda para a frente, não importa as raízes e a força hercúlea com que nos agarramos a um momento, ele passa... passa sempre. Não sem dores, não sem estragos, não sem perdas... mas passa e mesmo essas dores e estragos e perdas também se vão amenizando com o tempo e a vida a acontecer. Mesmo que não queiramos temos de comer, e dormir, e trabalhar, e falar, e sorrir, e sair, e fazer projectos, e fazer porque aconteçam, e por sonhar... e quando damos por isso, com alguma sorte (que não é uma sorte qualquer... mas isso fica para outro post), a vida resolveu-se. Provavelmente não da maneira que inicialmente imaginámos, mas de outra diferente... e isso é a vida.

Não é que a vida se resolva sozinha, só nós. De maneira nenhuma, foi preciso muita gente, muita gente mesmo... muitos nem imaginam como 1 palavra, 1 aceno, 1 abraço ou 1 sorriso seus me encheram o coração, a mente e a vida.

Por isso, não é que a vida se resolva sozinha... de forma alguma, mas a vida acontece, com muita vida lá dentro e temos de aceitar...

that' life!

vamos começar?

pronto, parece-me que agora já estou boa para começar a escrever. e quem diz escrever, diz viver.

e não é que a vida se resolve, mesmo (quase), sozinha!

sábado, janeiro 01, 2011

para 2011


No outro dia detive-me em frente a uma montra da Salsa cheia de post it's com os desejos para 2011. Fiquei a ler os vários desejos (e os erros ortográficos também) com um sorriso. A empregada da loja perguntou-me se eu não queria entrar e fazer o meu. Agradeci, mas não o fiz. Na altura sentia-me tão perdida que não conseguia sequer formular um desejo e foi preciso uma amiga me dizer o mais básico.

Mais do que querer, para 2011, eu preciso de acreditar. Acreditar que tudo acontece por uma boa razão, acreditar que o que se quebrou dentro de mim ainda se pode recuperar, acreditar que os meus sonhos ainda estão a tempo de se realizar, acreditar que sou capaz sozinha (mais o meu g@to), acreditar no amor, na partilha e na cumplicidade, acreditar que ainda posso ser feliz. Acreditar muito que isto é um começo, um caminho, um início de algo bom.

Bom ano de 2011!

ps. e saúde, que nada se faz sem ela.